A IMPORTÂNCIA DA CURIOSIDADE NA VIDA DE UM TESTADOR

Várias fontes descrevem Analistas de Testes como pessoas curiosas, perfeccionistas, com um olhar mais crítico, detalhistas e preocupados com a qualidade de qualquer produto que eles precisam testar. Essas características são relacionadas ao lado mais comportamental dos testadores que inclusive são muito valorizadas no mercado de trabalho. Conservar essas e outras características comportamentais que agregam na vida de um testador, permite que estes adquiram cada vez mais conhecimento e tenham muito mais criatividade ao criar casos e executar testes, além é claro, de atribuir muito mais valor às reuniões e eventos dos quais participa.

Dentre tantos perfis e características que compõem o perfil de um  testador, a curiosidade  se destaca entre as demais e é, com certeza, algo que influencia no sucesso da entrega de um projeto/produto. Infelizmente, na maioria das vezes, ela não é algo constante e também não é generalizada, ou seja, somos curiosos apenas em determinados momentos, para determinados assuntos.

São inúmeros os  motivos e fatores pelos quais a intensidade da curiosidade diminui, porém há várias formas em aflorar e manter a curiosidade ativa, mantendo essa característica tão importante para os testadores.

Mas primeiro, listarei algumas atitudes que diminuem nossa curiosidade:

1. Medo ou receio em Perguntar:

– Por muitas vezes nos privamos em perguntar sobre determinados assuntos por medo de parecermos inexperientes e também pensarmos: “Vou deixar para pesquisar isso no Google mais tarde”, “Esse assunto não é tão prioritário, perguntarei depois” ou “Já perguntei e não entendi, a pessoa a qual perguntei irá se irritar se eu perguntar novamente” (Acredite, no ultimo caso, a pessoa irá se irritar se você não entendeu e não a questionou mais). Estes pensamentos nos impedem de aproveitar o máximo de oportunidade de conhecer mais sobre os assuntos.

2. Impressão de que conhece o Sistema:

– O costume de sempre olhar os sistemas o qual se trabalha, e também o baixo nível de ocorrência de falhas podem gerar em nós uma falsa crença de que a aplicação funciona ao todo corretamente, e assim, paramos de dedicar um tempo para descobrir suas particularidades.

3. Falta de familiaridade em determinado assunto ou sistema

– Geralmente nos deparamos com determinadas funcionalidades do sistema ou determinados assuntos que nos exigem mais esforço para aprender, mas por não termos familiaridade com estes ou por acharmos muito complexos, acabamos por preferir “entregar” a responsabilidade para alguém que tenha mais conhecimento e experiência na funcionalidade ou sistema a ser testado.

Não só esses, mas outros inúmeros hábitos e fatores prejudicam para nosso crescimento e aprofundamento nos assuntos relacionados a Testes e se não ficarmos atentos acabam nos prejudicando em nossa vida profissional. Para que esses hábitos não se tornem constantes no âmbito de trabalho, listarei abaixo algumas dicas de como manter-se um tester curioso e assim, evidenciar mais ainda a importância da curiosidade na vida de um testador, para que  possamos continuar explorando e aprendendo o máximo possível sobre as funcionalidades de um sistema:

1. Questione sobre TUDO o que não conhece ou compreende:

– Frequentemente esbarramos em alguma funcionalidade ou assunto que não possuímos tanto conhecimento ou entendimento e, nestes casos, o que fará com que nós consigamos entender exatamente a funcionalidade proposta é questionar várias vezes sobre o assunto, de modo a absorver o máximo de conhecimento possível do conteúdo.

2. Veja tudo como algo novo:

– Com o passar do tempo trabalhando com um determinado sistema, vamos adquirindo conhecimento e experiência sobre ele e começamos a deixar de encontrar “novidades” com os testes que executamos, e isso ocorre por que pensamos, incorretamente, que já possuímos conhecimento suficiente sobre todos os comportamentos esperados no sistema.

Dica: Para que o hábito de ter uma visão diferenciada seja constante, experimente criar diferentes casos de testes para uma mesma funcionalidade utilizando técnicas diferentes, como por exemplo: tabelas de decisão, diagramas de transição de estados, BDD, entre outras.

3. Busque mais conhecimento e então desejará aprender mais:

– Quando possuímos domínio sobre determinados assuntos nos sentimos muito mais motivados à aprender mais sobre ele. No entanto, não nascemos sabendo sobre eles, correto?

Quando uma funcionalidade é complexa para nós, apesar de não nos sentirmos tão confortáveis em aprender sobre ela, devemos nos esforçar ao máximo para tentar entendê-la. Para isso, uma dica super válida é aprender com os colegas de trabalho mais experientes, pesquisar na internet sobre o assunto e assim sua mente vai se adaptando com aquele conteúdo e por ele em prática será muito mais fácil.

O que também ajuda bastante é a familiaridade com as funcionalidades, e quanto mais aprendemos sobre elas mais queremos saber sobre, e o que até então era complexo começa se tornar cada vez mais simples e claro.

4. Exerça sua mente de maneiras diferentes

– Desafie-se a aprender a testar uma nova funcionalidade, ou realizar testes de maneira diferente do que você faz ou pensar diferente sobre determinados casos de testes. Escolha um assunto que você gostaria de aprender e se concentre nele. Inicialmente, você se sentirá desconfortável e se sentirá ainda “menos inteligente do que antes”, mas se você estudar e praticar constantemente, você ficará mais confiante e fará novas conexões em sua mente.

Portanto, a curiosidade é uma característica essencial, porém, quando não praticamos este hábito, pode fazer com que aos poucos venhamos a perdê-lo. Questionar, se envolver,  olhar tudo como “novo” e buscar se familiarizar com o funcionamento de sistemas que não nos sentimos confortáveis a testar são maneiras de preservar e qualificar essa característica super importante para nós, testadores.

Referências:

http://www.qualister.com.br

http://www.wikihow.com/Be-Curious

Por RAIANY DE ARAÚJO SILVA

Manauense morando há tempo suficiente para considerar Campinas como sua cidade do coração, iniciante e desde então buscando se aprofundar mais na área de Testes de Software.

Postado em: 28 de dezembro de 2016

Confira outros artigos do nosso blog

REST não é JSON

21 de agosto de 2017

Bruno Sofiato

[Webinar] Profile de aplicações Java com Oracle Mission Control e Flight Recorder

24 de julho de 2017

Danival Calegari

Criando Mocks de serviços REST com SoapUI

27 de junho de 2017

Monise Costa

JavaScript 6: diferença entre var, let e const

09 de maio de 2017

Otávio Felipe do Prado

Deixe seu comentário