A pressa tornou-se um valor?

Não confunda pressa com agilidade. Ter pressa é ser imediato em um prazo apertado. Ter agilidade é ser eficaz no tempo adequado. A pressa envelhece você, seu produto e suas atividades. Preste bem atenção: ela envelhece e não amadurece.

A pressa faz você trabalhar pelo agora, atitude que compromete o futuro. Viver em caráter de urgência é despriorizar o seu amanhã. Uma frase interessante explica muito bem quando devemos ter pressa: “A pressa é para quem está atrasado!”. Se você ou sua empresa estão sempre com pressa, algum sério problema existe. Enquanto temos pressa, trabalhamos no limite. E não é possível ficar no limite o tempo todo. Cansa, desanima, propicia erros.

Nesse ponto, a tecnologia, que deveria apoiar e suavizar nossa rotina, é exatamente a maior incentivadora da pressa. Usamos a tecnologia para consumir e processar informações mais rapidamente. Entretanto, muitas vezes nos tornamos os gargalos desse ciclo ao ter que tomar decisões sobre um volume muito grande de informação, que não podemos “digerir”.

O fato é que não é fácil substituir a pressa pela agilidade. Você pode iniciar esse processo com um bom planejamento de suas rotinas. Naqueles momentos vagos, prepare-se para os imprevistos e, talvez, antecipe eventuais desvios. Envolva mais pessoas antes de divulgar aquela sua idéia “revolucionária”, que vai ajudar a atingir a sua meta. Essa é uma ótima maneira de refinar seus pensamentos e minimizar os erros no futuro. Divida suas atividades em pequenos ciclos, de modo a diminuir a quantidade de informação sobre a qual você terá que prestar atenção. Com isso, você melhora seu foco e observação. Mesmo que uma situação de urgência não possa ser evitada, aproveite para estudar os motivos que levaram ao problema, assim como os gatilhos que dispararam essas requisições repentinas.

No fim das contas, ao trocar a pressa pela agilidade, você passa a fornecer suas expectativas de maneira mais clara e assertiva, com ideias melhores, bom humor e qualidade de vida!

“Back To The Basics”

Por FABIANO AMARO COSTA

MATERANO na veia. Vive a cultura MATERA desde 2008 em diferentes papeis. Curte cães, carros e fotografia. Acredita na vida em comunidade, compartilhamento de ideias e experiências como forma de melhorar o mundo.

Postado em: 01 de junho de 2015

Confira outros artigos do nosso blog

REST não é JSON

21 de agosto de 2017

Bruno Sofiato

[Webinar] Profile de aplicações Java com Oracle Mission Control e Flight Recorder

24 de julho de 2017

Danival Calegari

Criando Mocks de serviços REST com SoapUI

27 de junho de 2017

Monise Costa

JavaScript 6: diferença entre var, let e const

09 de maio de 2017

Otávio Felipe do Prado

Deixe seu comentário