Agilidade: Soft skills x Hard skills

Vamos entender a importância de desenvolver as soft skills em um contexto ágil, entendendo primeiro o que seria hard e soft skills e como podemos relacioná-las com o contexto de um dia a dia de um time ágil.

 

Soft skills e hard skills são características bem importantes e interessantes para nossa carreira. O ponto que gostaria de abordar é como consigo relacionar soft e hard skills com um contexto ágil, mas antes vamos às apresentações:

 O QUE SÃO HARD SKILLS?

Hard skills são habilidades técnicas que desenvolvemos com o aprendizado e, principalmente, com a experiência em um determinado assunto, como: 

  • Ferramentas
  • Frameworks
  • Novas Tecnologias

 E SOFT SKILLS?

Soft skills são habilidades comportamentais que estão relacionadas com nossa personalidade e podem ser desenvolvidas ou aprimoradas, como: 

  • Comunicação: Ser um bom emissor e receptor
  • Colaboração: Trabalhar bem em grupo
  • Flexibilidade: Se adequar bem às mudanças
  • Positivismo: Motivar as pessoas ao redor
  • Organização: De seu tempo/atividades

 É importante ressaltar que é necessário haver um equilíbrio entre ambas as habilidades, e que em muitos momentos elas são complementares. O que eu quero dizer com isso? Que não adianta ser excepcional tecnicamente, saber tudo de uma determinada tecnologia se não me relacionar bem com o time que trabalho.

Você pode estar se perguntando: qual a relação dessa habilidades comportamentais com os contextos ágeis? Eu te respondo: tudo!

 Vamos começar do manifesto ágil, pois em seus valores já identificamos pontos que nos pedem muito mais de soft skills do que hard skills:

Manifesto_ágil

 

Deu para perceber como seus valores estão fortemente ligados a trabalharmos mais nossos soft skills nos projetos ágeis?

  • Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas

Nesse valor, fica perceptível a necessidade de colaboração e comunicação. Pois bem, para termos como pontos fortes as pessoas mais que processos e ferramentas, é imprescindível que elas tenham uma boa comunicação para que concluam as iterações com sucesso e maior produtividade.

No dicionário, interação significa: é um tipo de ação que ocorre entre duas ou mais entidades quando a ação de uma delas provoca uma reação da outra ou das restantes.”

E quando você trabalha em times ágeis é exatamente assim, você percebe como a influência de um surte efeito nos demais integrantes do time, por isso, nesse valor também caberia o positivismo.

  • Software em funcionamento  mais que documentação abrangente

No segundo valor, podemos enxergar fortes indícios de comunicação. Para trabalharmos sem uma documentação mais detalhada, é necessário que o time esteja muito alinhado, principalmente com relação ao entendimento do requisito que deverá ser desenvolvido. Se pensarmos por esse ângulo, temos nesse valor uma pitada de colaboração também.

  • Colaboração com cliente mais que negociação de contratos

Fica explícito a colaboração novamente, no sentido de trabalhar junto com cliente em uma parceria e ajudá-lo a entender, diante do problema/situação apresentada, qual a melhor solução a ser desenvolvida para ele.  E é claro que, mais uma vez, a comunicação, nesse caso é fundamental em seus dois sentidos: entender a mensagem do cliente e ter certeza que ele também entendeu sua proposta.

  • Responder a mudanças mais que seguir um plano

E por fim, para responder a mudanças precisamos ser flexíveis, aprendendo a lidar com as alterações que podem acontecer no decorrer das iterações, sempre visando entregarmos valor para o cliente.

É notório como preciso desenvolver muitas habilidades comportamentais para trabalhar bem em um time ágil, honrando todos os valores do manifesto. Além disso, não nos resta dúvidas de como a comunicação está envolvida em praticamente todos os valores. Em contrapartida, percebemos como é difícil trabalhar com ela e como sempre é tópico em uma retrospectiva.

Gosto muito de organizar as ideias usando mind maps ou mapa mental.

Mapeando Agile Testing, quando comecei a elencar os princípios ágeis que são a base dele, tive a ideia de dividi-los por skills, em soft e hard skills. Embora em muitos cenários esses princípios estejam fortemente acoplados, percebi que eles nos exigiam muito mais de soft skills do que hard skills, veja:

soft_hard_skills

Mapa mental desenhado por mim para mapear Agile Testing

Para quem não conhece o termo, Agile Testing são práticas de teste de software aplicadas seguindo os princípios do desenvolvimento ágil.

Resumindo: é o testador bem alinhado com os princípios e valores ágeis aplicados no que se remete às atividades de testes. Então, em todas as suas atividades no projeto ou em uma sprint haverá a essência do ágil em sua ações. Isso já começa na mudança de mindset, quando o teste deixa de ser uma última etapa no processo de desenvolvimento, como era no modelo Waterfall e passa a fazer parte de todas as etapas do ciclo de desenvolvimento. Um cenário onde todos se preocupam e são responsáveis pela qualidade do software, e não mais só o testador é o “vilão” da história, sendo sempre o gargalo e responsável por toda qualidade do software, como era no passado.

Perceba que os princípios levantados estão mais relacionados a comportamento do que uma expertise técnica. Mesmo que para executar minhas funções como um testador ágil, como: levantar cenários, priorizar e definir técnicas de teste que serão usadas, automatizar testes, executar, fazer report dos defeitos e em alguns momentos analisar indicadores, para que execute essas funções muito bem será necessário que eu tenha desenvolvido minhas habilidades comportamentais para agregar valor no produto final.

E já que estamos falando de princípios ágeis, é importante ressaltar que isso não se aplica somente para testes de software, mas para todos os papéis dentro de um time ágil.

Lembrando que é essencial cultivarmos e aperfeiçoarmos nossos soft skills. Algo que gosto sempre de colocar é que o autoconhecimento é o começo. Assim que aprende a se conhecer e enxergar seus pontos positivos e negativos, conseguirá trabalhar de forma a aprimorar o que precisa ser melhorado. Assim como as metodologias ágeis, nós também estamos em constantes mudança, evoluções, sempre em melhoria contínua.

Hard_Skills_Soft_Skills_1

Você tem cuidado mais de seu hard skills do que soft skills?

Então, deixo a reflexão sobre o que comentei no início do post, a importância de manter nossos skills técnicos e comportamentais equilibrados. Será? Será que na verdade eu não preciso desenvolver muito mais minhas habilidades de soft skills do que de hard skills?

E você? Cuida somente do hard skills? Ou tem cuidado dos seus soft skills tanto quanto cuida de seus hard skills? Qual tem pesado mais? Qual existe um déficit a desenvolver?

Nas próximas postagens, a ideia é abordar um pouco mais de cada princípio ágil que mostrei no mapa mental, como os relacionamos com soft skills e, se não os possuímos, como poderíamos  desenvolvê-los.

Por ARIANE FERREIRA IZAC

Analista apaixonada por testes, dançarina, corredora e colecionadora de viagens! Filha de peixe (jornalista) peixinho (blogueira) é. Meu grupo no LinkedIn só poderia ser "Diário de uma paixão: Teste de Software"

Postado em: 12 de abril de 2018

Confira outros artigos do nosso blog

Do Scrum para o Kanban: quais são os desafios dessa transição?

02 de julho de 2018

Reinaldo Simizu

Como a comunicação influencia em times ágeis?

15 de junho de 2018

Ariane Ferreira Izac

Vamos falar sobre métricas Kanban?

21 de maio de 2018

Ricardo Augusto Shikota

Método Kanban: primeiros passos

10 de maio de 2018

João Paulo Grabosque

Deixe seu comentário