Arquitetura da Informação – Parte 2

Em linhas gerais o que difere um site ou produto de outro? Talvez seja a capacidade dos usuários ou consumidores utilizá-lo com o mínimo de estresse e o máximo de eficiência, não é mesmo? E se o gerente de projetos está preocupado com verba e prazo, o desenvolvedor está preocupado com as limitações técnicas de uma determinada linguagem, quem deveria se preocupar com o resultado citado anteriormente? O arquiteto da informação.


Arquitetura da Informação (AI) é uma das sub-areas do UX Designer que possui raízes na biblioteconomia (organizar e catalogar os títulos dentro de uma biblioteca para que sejam facilmente encontradas pelo visitante) e é de certa forma similar no ambiente digital. Como fazer com que as informações sejam organizadas no menu de um site, por exemplo, de forma que sejam acessadas facilmente pelos usuários? Qual perfil de usuário está buscando qual tipo de informação? Como os itens estão ordenados, agrupados e organizados dentro da estrutura do site?

Mas por que isso é tão importante para o meu site ou produto? A AI pode aumentar o valor da marca e diminuir:

  • Custo de encontrar a informação
  • Custo de não encontrar a informação
  • O custo da construção
  • O custo da manutenção
  • O custo do treinamento
Vale a pena ressaltar que a AI é baseada nos fundamentos da experiência do usuário com o site ou produto: utilidade, usabilidade, encontrabilidade, credibilidade, acessibilidade, amigabilidade e valor agregado. E que dentro do processo construtivo da experiência do usuário, temos outras etapas que podem ser exercidas por um mesmo profissional:
Figura 1 – Fases da experiência do usuário [1]

Em resumo, a Arquitetura da Informação, segundo a Information Architecture Institute, é: “A arte e a ciência para organização e rotular sites, intranets, comunidades online e software para dar suporte à usabilidade e ‘encontrabilidade’.”

Esse post faz parte de uma série que tem como objetivo em explicitar essa área. Então, aguardem os próximos posts que comentarei os componentes básicos da Arquitetura da Informação.

Referências

[1] http://design4interaction.com/

Por CAROLINA ANGELOTTI NOVAES VICENTE

Postado em: 07 de janeiro de 2015

Confira outros artigos do nosso blog

REST não é JSON

21 de agosto de 2017

Bruno Sofiato

[Webinar] Profile de aplicações Java com Oracle Mission Control e Flight Recorder

24 de julho de 2017

Danival Calegari

Criando Mocks de serviços REST com SoapUI

27 de junho de 2017

Monise Costa

JavaScript 6: diferença entre var, let e const

09 de maio de 2017

Otávio Felipe do Prado

Deixe seu comentário