Cálculos básicos em aplicações financeiras

Nestas épocas em que todos querem fazer seu suado dinheirinho frutificar o máximo possível, frequentemente nos vemos discutindo qual o melhor investimento, comparando e tentando prever o que vai gerar melhores resultados.

Alguns já estão familiarizados com o vocabulário praticado nos meios financeiros assim como tem bases sólidas para apoiar suas decisões. A outros falta o entendimento dos detalhes.

Neste post vou colocar alguns cálculos básicos praticados em aplicações financeiras que podem ajudar quem é iniciante, quem está em dúvida de como se faz ou até quem nunca se preocupou em saber.

 

  • Cálculo de taxa pré-fixada

Normalmente taxas pré-fixadas praticadas em títulos de renda fixa tem base anual, podendo ser por dias úteis ou por dias corridos.

Por exemplo, supondo que você aplicou R$ 5.000,00 em um CDB com taxa 8,5 % a.a, qual será seu saldo após 20 dias?

Saldo = R$ 5.000,00 * ((8,5/100 +1) elevado a (20/360)) = R$ 5.022,71

(considerando taxa com base 360 dias corridos)

OU

Saldo = R$ 5.000,00 * ((8,5/100 +1) elevado a (15/252)) = R$ 5.024,33

(considerando taxa com base 252 dias úteis e 15 dias no período)

 

  • Cálculo do IOF de resgate

Suponha que você precise reaver seus recursos e resgatar a aplicação no vigésimo dia.

Aplicações em títulos de renda fixa possuem cobrança de IOF em caso de resgate nos 29 primeiros dias.

Na tabela de tributação do IOF, para o vigésimo dia temos:

  • % limite do rendimento = 33 %
  • % sobre o saldo = 20 %

Qual o rendimento total da aplicação? R$ 5.024,33 – R$ 5.000,00 = R$ 24,33 (saldo total – valor aplicado)

  • 33% do rendimento = 33/100 * R$ 24,33 = R$ 8,02
  • 20% do saldo = 20/100 * R$ 5.024,33 = R$ 1.004,86

Dentre os dois resultados, utiliza-se o menor: IOF cobrado no resgate = R$ 8,02

 

  • Cálculo do Imposto de Renda

No caso deste resgate, ainda incide o IR sobre o rendimento restante:

Valor base para cálculo do IR = R$ 24,33 – R$ 8,02 (rendimento total menos o IOF cobrado) = R$ 16,31

Considerando a tabela de imposto de renda para aplicações em renda fixa:

 22,5% entre 1 e 180 dias; 20% entre 181 e 360 dias; 17,5% entre 361 e 720 dias e 15% acima de 720 dias:

Valor do IR = R$ 16,31 * 22,5/100 = R$ 3,66

Com isso, o valor que creditado na sua conta será: R$ 5.024,33 – R$ 8,02 – R$ 3,66 = R$ 5.012,65

Portanto, evite fazer resgates de aplicações em títulos de renda fixa antes do trigésimo dia corrido para se livrar do IOF. Quando não há incidência de IOF, a alíquota de IR se aplica sobre o total do rendimento.

 

  • Cálculo com DI

Se sua aplicação estiver atrelada a um percentual da variação do DI, considere que o DI é uma taxa pré-fixada que muda todos os dias (por isso é chamada também de taxa flutuante).

Para apurar o fator de correção pelo DI, você vai precisar conhecer o índice divulgado para cada dia útil do período que deseja calcular.

Suponha que sua aplicação ocorreu no dia D.

Saldo em D+1 = (Valor aplicado) * ((DI_em_D/100 +1) elevado a (1/252))

Saldo em D+2 = (Saldo em D+1) * ((DI_em_D+1/100 +1) elevado a (1/252))

Saldo em D+3 = (Saldo em D+2) * ((DI_em_D+2/100 +1) elevado a (1/252))

E assim sucessivamente.

 

  • Índices de preços

Títulos de Renda Fixa atrelados a índices de preços fazem uso destes indicadores no formato de fator acumulado e não no formato de taxa.

De forma geral, para obter o fator de correção na data do aniversário (o dia de cada mês que é igual ao dia do vencimento do título), utilize o fator acumulado do mês anterior à emissão do título e o fator acumulado do mês anterior ao mês para o qual está sendo feito o cálculo:

Fator correção = Índice(mês anterior ao do cálculo) /  Índice(mês anterior à emissão)

Títulos públicos atrelados ao IGPM ou IPCA que pagam juros a cada semestre continuam incorporando a correção do índice desde sua emissão mesmo após os pagamentos periódicos.

Obs.: os Bancos e agentes de custódia dos títulos trabalham com critérios específicos de formatação dos resultados de modo que pode haver diferenças de centavos nos valores finais.

Por HELEN KLINGER

Postado em: 20 de janeiro de 2017

Confira outros artigos do nosso blog

Smart Contracts: o que são e como funcionam?

18 de junho de 2018

Tássia Rande

O open banking é uma ameaça aos bancos?

11 de junho de 2018

Caue dos Santos Pereira

Por que o Banco Central poderá regulamentar o Open Banking no Brasil?

11 de junho de 2018

Caue dos Santos Pereira

PSD2: como o Open Banking foi regulamentado na Europa

11 de junho de 2018

Caue dos Santos Pereira

Deixe seu comentário