CMMI – Capability Maturity Model Integration

cmmi-420x420No meu último post, comentei sobre o Scrum. O Scrum é um framework e não um processo. Comentei também que podíamos incluir ferramentas e processos que gostaríamos no framework e executá-los.

Um desses processos pode ser o CMMI – Capability Maturity Model Integration.

O CMMI foi desenvolvido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon, a pedido do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, um dos maiores compradores de software. Essa foi uma forma encontrada para que eles pudessem avaliar seus fornecedores, em termos de qualidade dos softwares produzidos.

Atualmente o CMMI está na versão 1.3 e possui boas práticas para 3 constelações:

  • Desenvolvimento
  • Aquisição
  • Serviços

characteristics-capability-maturity-model-svgNa constelação de Desenvolvimento, o CMMI possui 22 áreas de processo dividido em 5 níveis:

Nível 1: Inicial (Ad-hoc). Processo imprevisível, mal controlada e reativo

  • Não possui áreas de processo: Basicamente é o que já está sendo feito. Toda empresa está no nível 1.

Nível 2: Gerenciado. Processos voltados para projetos e reativo

  • REQM (Requirements Management): Gerenciamento de Requisitos
  • PP (Project Planning): Planejamento de Projeto
  • PMC (Project Monitoring and Control): Acompanhamento e Controle de Projeto
  • SAM (Supplier Agreement Management): Gerenciamento de Acordo com Fornecedor
  • MA (Measurement and Analysis): Medição e Análise
  • PPQA (Process and Product Quality Assurance): Garantia da Qualidade de Processo e Produto
  • CM (Configuration Management): Gerência de Configuração

Nível 3: Definido. Processo voltados para a empresa e pró-ativo

  • RD (Requirements Development): Desenvolvimento de Requisitos
  • TS (Technical Solution): Solução Técnica
  • PI (Product Integration): Integração de Produto
  • VER (Verification): Verificação
  • VAL (Validation): Validação
  • OPF (Organizational Process Focus): Foco de Processo Organizacional
  • OPD (Organizational Process Definition): Definição de Processo Organizacional
  • OT (Organizational Training): Treinamento Organizacional
  • IPM (Integrated Project Management): Gerenciamento Integrado de Projeto
  • RSKM (Risk Management): Gerenciamento de Riscos
  • DAR (Decision Analysis and Resolution): Análise de Decisão e Resolução

Nível 4: Quantitativamente gerenciado. Processo mensurado e controlado

  • OPP (Organizational Process Performance): Desempenho de Processo Organizacional
  • QPM (Quantitative Project Management): Gerenciamento Quantitativo de Projeto

Nível 5: Em otimização. Focu na melhoria do processo para a empresa como um todo

  • OPM (Organizational Process Management): Gestão de Processo Organizacional
  • CAR (Causal Analysis and Resolution): Análise Causal e Resolução

Para que uma empresa possa se certificar é preciso passar por um processo de avaliação realizado por um avaliador oficial do SEI.

Existem duas formas de representação: por Estágios ou Contínua.

A MATERA se certificou em 2005, quando foi avaliada como Nível 2 de Maturidade, ou seja, implantou todas os processos do nível 2.  Essa representação é definida de Estagiada.

É possível também ter uma representação Contínua, onde implantamos uma área de processo, por exemplo, o REQM e elevamos ele até o nível 5.

Apesar do risco de  enrijecer a empresa à “seguir um processo”, as vantagens da implantação do CMMI podem ser processos bem definidos, geração de documentação dos projetos e garantia de qualidade de processos e produtos.

Referências:

http://www.sei.cmu.edu/

CMMI for Development: Guidelines for Process Integration and Product Improvement (3rd Edition) (SEI Series in Software Engineering)

Por MATERA SYSTEMS

Postado em: 03 de junho de 2013

Confira outros artigos do nosso blog

REST não é JSON

21 de agosto de 2017

Bruno Sofiato

[Webinar] Profile de aplicações Java com Oracle Mission Control e Flight Recorder

24 de julho de 2017

Danival Calegari

Criando Mocks de serviços REST com SoapUI

27 de junho de 2017

Monise Costa

JavaScript 6: diferença entre var, let e const

09 de maio de 2017

Otávio Felipe do Prado

Deixe seu comentário