Conceitos básicos da gestão de riscos financeiros

No último post Risco Financeiro e Preferências em Cenários de ganho e perda conversamos sobre a assimetria do comportamento de indivíduos em situação de ganho e perda financeira e como isso corrobora com a necessidade de uma gestão ativa e qualificada dos riscos incorridos.

Neste post vamos discutir sobre os conceitos básicos da gestão dos principais riscos financeiros que uma instituição pode estar exposta:

  1. risco de crédito;
  2. risco operacional;
  3. risco de mercado.

 

1 – Risco de Crédito

O risco financeiro ao qual as instituições financeiras estão mais expostas é o risco de crédito. Este risco mede a possibilidade de perda econômica decorrente da deterioração da qualidade do crédito de um tomador ou contraparte devido ao mesmo não honrar integralmente com ao menos uma obrigação e/ou possuir ao menos uma de suas obrigações perante a uma instituição em atraso.

Usualmente os tomadores de crédito são associados a uma escala de Rating que se divide em uma escala gradativa de qualidade de crédito (por exemplo: AAA, AA, A, BBB, BB, B, CCC, CC, C , D), onde cada nó da escala está associado a uma probabilidade de default (PD). O processo de escoragem de crédito classifica os tomadores em um nó da escala de Rating e consequentemente define as suas PDs. O prêmio de risco de um empréstimo dado a um tomador é função deste Rating e é conhecido como spread de crédito. O horizonte de tempo da análise é tipicamente de médio e longo prazo.

 

2 – Risco Operacional

Outro risco financeiro muito importante não apenas para instituições financeiras mas também para não financeiras é o risco operacional. Este está relacionado com perdas financeiras decorrentes de falhas ou inadequação de pessoas, processos, sistemas, eventos externos, riscos legais, risco estratégico, risco de imagem, entre outros. O horizonte de tempo da análise é tipicamente de longo prazo.

A mensuração quantitativa do risco operacional depende fortemente da qualidade da base de perdas históricas da entidade, sendo esta qualidade dependente de alguns fatores como:

  • cultura do risco operacional na instituição;
  • preocupação de sigilo com relação aos eventos de perda, dado que os mesmo podem envolver falhas dos seus funcionários ou de seus controles internos.

3 – Risco de mercado

O risco de mercado mede a possibilidade de perda econômica gerada pela variação nos fatores de risco de mercado aos quais os preços dos ativos, passivos e derivativos possuam sensibilidade. O horizonte de tempo da análise é tipicamente de curto prazo.

Os principais fatores de risco de mercado são:

  • Curvas de juros pré-fixadas em Real;
  • Curvas de cupom de moedas estrangeiras;
  • Curvas de cupom de taxas de juros;
  • Curvas de cupom de índices de preço;
  • Câmbio;
  • Ações;
  • Cotas de fundos;
  • Mercadorias.

 

No próximo post conversaremos sobre um dos conceitos mais importantes para entender as métricas quantitativas de risco, a distribuição de perdas financeiras, para cada um dos riscos descritos anteriormente.

Por PAULO ROBERTO GODOI DE OLIVEIRA

Postado em: 22 de maio de 2015

Confira outros artigos do nosso blog

Novos Requerimentos Regulatórios para Risco de Liquidez

04 de novembro de 2016

Alexandre Oliveira

Soluções da MATERA Systems já atendem às resoluções de Nova Cobrança e Gestão de Capital

20 de junho de 2016

Vania Hoshii

MATERA MVAR marcará presença no GRC Summit 2016

09 de março de 2016

Valmir Massafera Jr

MATERA MVAR marcará presença no 5º Congresso Internacional de Gestão de Riscos

18 de setembro de 2015

Caue dos Santos Pereira

Deixe seu comentário