Desmistificando o UX nosso de cada dia

Você já ouviu falar em UX? Sigla que vêm do inglês, User eXperience (experiência do usuário) é tida como uma aposta para a evolução das tecnologias.

O próprio termo nos dá a dica do que se trata, mas é importante lembrar que UX não é ciência, método, tecnologia e muito menos mágica. UX é tudo o que envolve a experiência do usuário, como um produto ou serviço.

O antropólogo e entusiasta da usabilidade Don Norman foi o primeiro a utilizar o termo como estudo e qualificação profissional, sendo uma referência na área com diversos livros publicados sobre o assunto, como o Design of Everyday Things (Design das coisas do dia a dia).

UX é tudo o que envolve a experiência do usuário, como produto ou serviço

Facilmente encontramos exemplos de UX em nosso dia a dia, veja a imagem abaixo desses ketchup: o primeiro, à esquerda, é o original, muito agradável visualmente e representa bem todos os conceitos de marca, porém à direita pode se observar essa embalagem como interage melhor com o consumidor de forma mais fácil e simples, com o frasco de apertar que já tem a saída para baixo que hoje encontramos no supermercado. Então UX é isso, fazer com o ketchup sai mais rápido e fácil? Não, há muito mais que ele pode oferecer.

ketchup

Embalagem original e atual da marca de Ketchup Heinz.

O que é UX e porque ele é importante?

Já se perguntou sobre a quantidade de informação que recebemos todos os dias? Calcula-se que só nos últimos dois anos esse número dobrou e isso é uma tendência na era digital. Veja o exemplo: há alguns anos era necessário realizar uma ligação telefônica para nos informamos sobre a previsão do tempo. Hoje, esta se tornou uma informação tão comum, que podemos obtê-la ao desligar o alarme do celular pela manhã ou a qualquer momento do nosso dia.

Encontrar a informação certa na hora certa é um dos aspectos mais importantes na evolução do UX, que não está apenas relacionada com interfaces ou sistemas, mas com todos os serviços que utilizamos no dia a dia. Ela não só assume o papel de influenciar no consumo, mas também de  fortalecer os laços do consumidor com determinada marca ou serviço. Dessa forma, se reduz os custos de construção, manutenção e treinamento, sendo possível  também antecipar problemas.

O estudo e soluções de UX passam por processos de desenvolvimento e análise e apesar de não ser uma ciência se assemelha a uma processo científico, que pode ter resultados mensurados e ajustados.

Quem faz ou aplica UX?

O profissional de UX pode receber diversos títulos, o mais comumente aplicado é o UX Designer. A palavra design é muito associada ao Visual Designer, que trabalha na criação de layout, tipografias e paletas de cores, porém o UX Designer trata do design além do visual, projetando a experiência

Arquiteto da informação, designer de interfaces, designer de interação ou especialista em usabilidade, todos podem ser considerados profissionais de UX, que podem se especializar em marketing ou tecnologia, ou talvez trabalhem com pesquisa de usuários, social mídia, ou até mesmo serviço de apoio ao cliente.

Não só o profissional de UX deve conhecer sobre o assunto, o processo fica mais rico e completo quando toda equipe contribui com o assunto.

O que faz um UX Designer?

O UX Designer deve conciliar as necessidades do negócio da organização com as necessidades de usabilidade, o que na teoria já deveria ser feito por todas as empresas. O UX Designer  utiliza-se de diferentes técnicas (que iremos discutir em novos posts, aguardem!) seguindo um processo centrado no usuário, durante o ciclo de vida do produto ou serviço.

O papel do UX é tornar o seu produto ou serviço mais useful (útil, proveitoso), usable (usável) e  delightful (encantador). Desmistificar o UX, entendendo melhor como, quando, onde e porque fazer isso é o que queremos discutir nesta série de posts.

Por JAQUELINE DE JESUS ZAMBONI

Desenvolvedora front-end, UI/UX designer. Artista e designer gráfico de formação que conheceu e se apaixonou pelo universo da tecnologia desde 2007. Fotografia e costura são as paixões das horas vagas.

Postado em: 14 de setembro de 2016

Confira outros artigos do nosso blog

O que é Design Emocional?

24 de julho de 2018

Mariane Moreira

Gamification: engajamento e mudança cultural

16 de julho de 2018

Jaqueline de Jesus Zamboni

Ferramentas de prototipação: qual a melhor escolha?

25 de junho de 2018

Larissa Ferreira

Passo-a-passo: Design centrado no usuário

21 de junho de 2018

Larissa Ferreira

Deixe seu comentário