Entenda a importância do apreçamento de instrumentos financeiros – Parte II

Conforme visto no primeiro post desta série, existem diferentes formas de se calcular o preço de um instrumento financeiro. Hoje será discutida uma forma de apreçamento chamada de Marcação a Mercado, ou simplesmente MtM (do inglês Mark-to-Market).

O preço de um instrumento marcado a mercado representa o valor observado para aquele instrumento no mercado de negociação, ou seja, o MtM é um valor de referência pelo qual ele pode ser comprado ou vendido imediatamente. Esse preço varia no tempo, de acordo com a oferta e demanda pelo instrumento e sua sensibilidade com as variáveis de mercado.

O valor justo de um fluxo de pagamento é o valor presente desse fluxo; esse valor é a quantia que, se aplicada e rentabilizada até a data do fluxo, resulta no valor futuro contratado para o mesmo, que pode ser definido ou indefinido, se for pré-fixado ou pós-fixado, respectivamente. Para instrumentos que definam obrigações contratuais de fluxos financeiros futuros, o preço do instrumento é definido pela soma do valor justo de cada um de seus fluxos. Assim, a marcação a mercado é realizada pela estimativa dos valores financeiros que serão pagos, trazidos à valor presente.

O cálculo dos valores futuros e presentes dos fluxos de um instrumento financeiro é realizado através de modelos que levam em conta as expectativas econômicas sobre os fatores de mercado que influenciam o seu preço, tais como taxas de juros, cotações, opcionalidades e a confiança no emissor do instrumento e sua capacidade de cumprir com as obrigações contratuais. Exemplificando essas expectativas, temos estruturas como:

  • Curvas de juros: Estruturas a termo, que mapeiam para datas futuras, qual a taxa de juros será aplicada para aquele prazo.
  • Curvas de projeção: Estruturas a termo, que mapeiam para datas futuras, o valor previsto para um índice, moeda ou cotação.
  • Curvas de spread de crédito: Estruturas a termo, que mapeiam para datas futuras, o pênalti de crédito referente ao emissor do instrumento.

Com a mudança das expectativas do mercado, o valor desses fatores também muda, sendo essa mudança a causa da variação do MtM no tempo. Assim, essas estruturas devem ser obtidas para os instantes nos quais que se deseje saber o preço de um instrumento. Modelos para o cálculo do MtM são utilizados pelos bancos e fundos de investimento para quantificar o preço de suas operações, principalmente das operações alocadas na carteira de negociação, onde o principal objetivo é a obtenção de lucro através de negociação de ativos.

Para as operações alocadas na carteira de não-negociação, a marcação a mercado ainda deve ser realizada, pois a instituição deve ser capaz de avaliar o valor de negociação das mesmas caso seja necessário se desfazer de alguma posição para geração imediata de recursos.

Para instrumentos que não são negociados com frequência e volume significativos, pode ser difícil obter um modelo que replique os valores marcados a mercado, sendo necessárias outras abordagens para a obtenção do preço justo.

Por RODRIGO POLASTRO

Postado em: 17 de abril de 2015

Confira outros artigos do nosso blog

Novos Requerimentos Regulatórios para Risco de Liquidez

04 de novembro de 2016

Alexandre Oliveira

Soluções da MATERA Systems já atendem às resoluções de Nova Cobrança e Gestão de Capital

20 de junho de 2016

Vania Hoshii

MATERA MVAR marcará presença no GRC Summit 2016

09 de março de 2016

Valmir Massafera Jr

MATERA MVAR marcará presença no 5º Congresso Internacional de Gestão de Riscos

18 de setembro de 2015

Caue dos Santos Pereira

Deixe seu comentário