Ferramentas de apoio para equipes de projetos de TI

Ferramentas, ferramentas, ferramentas. Todo profissional de TI que se preza utiliza pelo menos um aplicativo que o auxilia nas tarefas do dia-a-dia. Seja uma IDE famosa, um client de banco de dados ou até o bom e velho notepad. O fato é que esses aplicativos podem melhorar e muito a produtividade não só de uma pessoa, mas de uma equipe inteira, melhorando a visibilidade que está sendo feito (ou não está sendo feito), melhorando a qualidade do que é entregue, evitando erros, medindo o progresso e muito mais. Segue uma lista com algumas ferramentas que são uma mão na roda para sua equipe:

 

Jira: O Jira é uma ferramenta de bug tracker. Pensando melhor, é uma ferramenta de bug, project, version e history tracker. É um aplicativo bastante completo onde é possível registrar uma tarefa, classificar como bug, features ou itens de backlog; incluir numa determinada versão; indicar que a tarefa está sendo executada, que já foi executada ou que nem começou e quem é responsável por ela. Além disso, possui alguns plugins para acompanhamento do progresso do projeto, com gráficos de pizza, gráficos de barra, últimas atualizações, filtro por versão, filtro por status etc. É uma ferramenta paga, mas vale a pena. Mais informações https://www.atlassian.com/software/jira

Mantis: Ferramenta de bug tracker. Esse é só de bug tracker mesmo, mas bastante útil e fácil de utilizar. É bem mais simples que o Jira, mas cumpre seu papel. Através do mantis é possível registrar as tarefas, classificar em categorias personalizáveis, associar a tarefa a alguém, indicar o status da tarefa, definir a prioridade e associar a determinada versão. Não tem gráficos, mas é possível acompanhar o que foi entregue em cada versão, através de um roadmap. Essa ferramenta é gratuita. Mais informações em https://www.mantisbt.org/

Kunagi: Kunagi é uma ferramenta para gerenciamento de projetos baseados na metodologia Scrum. A ferramenta permite definir diferentes papéis no projeto, como PO, SM ou Team. É possível também incluir os épicos do projeto, separar em sprints com suas respectivas tarefas e visualizar o progresso das sprints através de gráficos de burndown e whiteboards que exibem o progresso da tarefa. Possui também a opção de gerar estimativas baseadas na técnica de planning poker, inclusive com a imagem das cartas para serem escolhidas. A ferramenta é bastante completa, mas sua interface é um pouco confusa, precisando de um certo tempo para se acostumar com ela. O kunagi é gratuito e possui um demo online no site. Mais informações  em http://kunagi.org/

 Wiki: Wiki? Sim, Wiki! Mas não digo Aquela wiki, de onde você copia o conteúdo para seus trabalhos escolares. Falo de uma wiki interna mesmo. Configurar uma wikipédia interna é uma ótima opção para compartilhar o conhecimento dentro da empresa. Serve até como uma forma de documentar os projetos, mapear os processos internos e compartilhar dicas. O mais interessante é que todo mundo pode contribuir para a manutenção dessa documentação. Os envolvidos no projeto, os testadores, o cara do comercial, todo mundo.

Teamcity: O teamcity é uma ferramenta de integração contínua que permite ter uma visão do estado atual do código, exibindo as últimas alterações no projeto, praticamente em tempo real. Além disso, a ferramenta permite a execução de testes automáticos a cada commit, exibindo um status do sucesso ou de falha, com detalhes do que falhou. Uma outra característica bastante interessante dessa ferramenta é a possibilidade de realizar uma checagem pré-commit, ou seja, você pode verificar se suas alterações vão passar nos testes automáticos antes mesmo de fazer o commit. O teamcity possui versão paga e gratuita. Mais informações em https://www.jetbrains.com/teamcity/whatsnew/  e http://www.matera.com/br/2011/11/29/teamcity-conheca-a-ferramenta-e-seus-principais-beneficios/

Crucible: O crucible é uma ferramenta de revisão de código. Através dela é possível criar uma revisão de determinado código para que outros membros da equipe possam validar e sugerir melhorias ou apontar problemas. A ferramenta permite criar revisões a partir de códigos que já foram para o svn ou que ainda não foram enviados (através de patchs do código local). O código é apresentado em um visualizador formatado com cores, destacando os trechos alterados e permite incluir comentários em pontos específicos do visualizador. Alertas são enviados para o email do autor sempre que alguém incluir um comentário no código submetido por ele. O crucible é uma ferramenta paga e o preço varia conforme o número de usuários que terão acesso a ferramenta. Mais informações em https://www.atlassian.com/software/crucible/overview e http://www.matera.com/br/2011/12/20/revisao-de-codigo-com-crucible/

Por MARCIA TANIMOTO

Formada em Informática - UEM/Maringá. Analista de Sistemas, apaixonada pela profissão, curiosa e MATERANA de coração.

Postado em: 24 de abril de 2015

Confira outros artigos do nosso blog

REST não é JSON

21 de agosto de 2017

Bruno Sofiato

[Webinar] Profile de aplicações Java com Oracle Mission Control e Flight Recorder

24 de julho de 2017

Danival Calegari

Criando Mocks de serviços REST com SoapUI

27 de junho de 2017

Monise Costa

JavaScript 6: diferença entre var, let e const

09 de maio de 2017

Otávio Felipe do Prado

Deixe seu comentário