INVESTINDO NA CRISE

Recessao_Mercado_Financeiro_MATERA

Todos falam que investir na crise é o melhor negócio. Mas onde investir?

Em uma crise financeira sempre existe quem ganha e quem perde, ou seja, qual o melhor investimento para estar no lado certo dessa balança?

Se a inflação está aumentando procure investimentos que acompanhem a alta da inflação. Se os juros estão aumentando, procure a renda fixa pós-fixada que vai acompanhar o aumento da taxa de juros. Neste caso temos o Tesouro Selic (LFT), que são os títulos do tesouro que acompanham a alta da taxa Selic e todos os títulos de dívida privada que são atrelados ao CDI, que conforme a taxa de juros aumentam o seu rendimento será maior.

Neste post, vamos falar um pouco sobre o Tesouro Selic, o título mais recomendado por especialistas para quem está começando a investir nos papéis do Tesouro Nacional e não quer correr muito risco.

O Tesouro Selic é um título pós-fixado onde a rentabilidade acompanha as variações da taxa Selic (que é a taxa básica de juros da economia brasileira), entretanto, é importante entender que a sua rentabilidade não será exatamente igual à taxa Selic. A rentabilidade é dada pela variação da taxa Selic diária registrada entre a data da compra e a data de vencimento do título, acrescida, se houver, de ágio ou deságio. O Tesouro Selic pode ser caracterizado como título de baixo risco e para perfil conservador.

Para quem investe em Tesouro Selic não importa se a taxa Selic vai subir ou cair, o seu dinheiro sempre vai crescer acompanhando a Selic e não existem riscos significantes de retornos negativos ou perdas significativas caso você queira antecipar a venda do seu título.

A quantidade mínima de compra é a fração de 0,01 título, ou seja, 1% do valor de um título, desde que respeitado o valor mínimo de R$ 30,00. No dia em que eu estava escrevendo esse post um único título Tesouro Selic 2021 custava R$7.458,69. O valor máximo para aplicação é R$1.000.000,00 por mês.

O Tesouro Selic possui um fluxo de pagamento simples, ou seja, você compra o título agora e receberá seu dinheiro de volta, somando ao rendimento de uma única vez, na data de venda ou na data de vencimento do título. Não há valor máximo para venda.

  • Tesouro Selic e os impostos

Investindo em títulos públicos você pagará Imposto de Renda (IR) que será retido automaticamente na venda do título ou em seu vencimento. O agente de custódia, que pode ser um banco ou uma corretora, onde você fez o investimento fica responsável pelo recolhimento do imposto. O IR incide apenas sobre o rendimento das aplicações e a sua alíquota é regressiva. A tabela é a mesma adotada em outros investimentos de renda fixa como o CDB e os fundos de investimento, o ideal é investir no Tesouro Direto por 2 anos ou mais para que a alíquota seja a de 15% sobre os rendimentos.

Além do IR ainda existe o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que pode ser evitado. Basta não antecipar a venda dos seus títulos nos primeiros 29 dias após a compra.

  • Tesouro Selic e taxas cobradas

Quem opera no Tesouro Direto terá que pagar 2 taxas. Vamos falar um pouco sobre elas:

 Taxa de custódia: É uma taxa anual de 0,3% sobre todo dinheiro investido por você em títulos públicos, sua cobrança é semestral, onde parte dela é cobrada no primeiro dia útil de janeiro e a outra no primeiro dia útil de junho ou na ocorrência do pagamento de juros, venda ou vencimento do título. Esta taxa refere-se aos serviços de guarda dos títulos e às informações e movimentações de saldos.

 Taxa de corretagem ou de administração: É a taxa paga para os agentes de custódia. A taxa não é fixa, vale a pena pesquisar o agente de custódia que pratica a melhor taxa. Essa taxa é cobrada na data de compra do título e no seu resgate, caso a venda seja feita após um ano da data de compra.

 

E você vê oportunidades em períodos de crise? Qual a sua dica de investimento? Compartilhe conosco.

 

http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-entenda-cada-titulo-no-detalhe#this

http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-precos-e-taxas-dos-titulos

http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-calculadora

Por ANDRÉ MENDONÇA

Postado em: 21 de janeiro de 2016

Confira outros artigos do nosso blog

PSD2: como o Open Banking foi regulamentado na Europa

20 de junho de 2018

Caue dos Santos Pereira

Smart Contracts: o que são e como funcionam?

18 de junho de 2018

Tássia Rande

O open banking é uma ameaça aos bancos?

11 de junho de 2018

Caue dos Santos Pereira

Por que o Banco Central poderá regulamentar o Open Banking no Brasil?

11 de junho de 2018

Caue dos Santos Pereira

Deixe seu comentário