Metodologia Ágil, Framework Scrum – Parte II

Scrum – Parte II

Na primeira parte, foi mostrado os princípios que norteiam o Scrum. A seguir é a montagem do time e como ocorre a interação entre eles.

Papéis

Em um time Scrum existem 3 papéis: O Product Owner, o Development Team e o Scrum Master. Juntos eles são auto-organizados ( sabem o que precisa ser feito e como, sem precisar aguardar ninguém “mandar” ) e funcionais (  possuem as competências necessárias para fazer o que tem que ser feito sem dependências que não do próprio time ). É ideal que um time Scrum tenha de 7 até 9 profissionais.

  • Product Owner: Responsável por maximizar o valor de retorno do produto para o cliente e fornecer o trabalho para o Development Team.
  • Development Team: De 3 até 5, são os profissionais que irão entregar uma versão, incrementada, do produto feito, ao final de cada iteração.
  • Scrum Master: Responsável por assegurar que o Scrum é entendido e disseminado, resolver impedimentos e ajudar o Product Owner e Development Team.


burndown

Artefatos

São os documentos que irão prover a transparência para o Scrum Team dos itens que precisam ser feitos para entrega de um produto ou um incremento. São 4 artefatos:

  • Product Backlog: Engloba todos os requisitos que precisam ser implementados, seja de negócio ( User Stories ), melhorias, questões técnicas ou erros. Esse artefato é controlado pelo Product Owner e ordenado de acordo com o valor de negócio para o cliente.
  • Sprint Backlog: É uma lista de itens que defino o Objetivo da Sprint. Esses itens são retirados do Product Backlog  e são os itens que estão na frente. Os itens que entram no Sprint Backlog são os itens de maior valor de negócio apresentado pelo Product Owner.
  • Definition of Done: Documento que explica quais serão as definições de Pronto para as User Stories.
  • Burndown: Um gráfico que mostra o andamento do desenvolvimento do Produto. Pode ser usado para monitorar o andamento do Product Backlog, quanto do Sprint Baklog, indicando se ambos serão completados de acordo com o planejamento.


cerimonias

Cerimonias

Alguns eventos são descritos no Scrum, cada qual com seu propósito, a fim de evitar reuniões desnecessárias. Esses eventos são chamados de cerimonias.

As cerimonias devem ter um tempo máximo de duração, chamado de time-boxed, e fornece a oportunidade de praticar a Inspeção e a Adaptação.

São definidas 4 cerimonias: 1) Sprint Planning; 2) Daily Scrum; 3) Sprint Review Meeting; 4) Sprint Retrospective. Fazendo um relacional com o manifesto ágil, esse eventos atendem ao princípio que diz O Método mais eficiente e eficaz de transmitir informações para, e por dentro de um time de desenvolvimento, é através de uma conversa cara a cara. Veremos mais adiante o que cada um desses eventos representa.

O coração Scrum é a Sprint, que tem uma duração fixa, e ao final uma versão incrementada do produto é entregue. Cada Sprint possui as 4 cerimonias descritas. Um dos pontos mais importantes é que nenhuma mudança “deve”
( isso não significa que não pode! ) ser feita durante a Sprint que afete o Objetivo da mesma. Mudanças precisam ser negociadas entre o Product Owner e o Development Team. A duração das Sprints podem variar de caso a caso, mas como regra não devem ser maiores que 1 mês. Um período maior que 1 mês, aumenta as incertezas em relação aos requisitos, a complexidade desenvolvimento e riscos de falhas.

Uma Sprint vem a atender um dos princípios do manifesto Ágil que é Entregar software funcionando com freqüencia, na escala de semanas até meses, com preferência aos períodos mais curtos.

Assim finalizo a segunda parte apresentando os papéis, os artefatos e a definição das cerimonias. Nós próximos vamos entender melhor as cerimônias e seus objetivos.

Referências:
The Scrum Guide – Scrum.org
Scrum e XP direto das das Trinceiras InfoQ
http://borisgloger.com/
http://manifestoagil.com.br

Por FERNANDO MORALLES

Postado em: 11 de março de 2013

Confira outros artigos do nosso blog

REST não é JSON

21 de agosto de 2017

Bruno Sofiato

[Webinar] Profile de aplicações Java com Oracle Mission Control e Flight Recorder

24 de julho de 2017

Danival Calegari

Criando Mocks de serviços REST com SoapUI

27 de junho de 2017

Monise Costa

JavaScript 6: diferença entre var, let e const

09 de maio de 2017

Otávio Felipe do Prado

Deixe seu comentário