Tags:

O uso de Java Swing no front-end de aplicações para o Mercado Financeiro

Tela de cadastro de conta corrente

Ao migrar os produtos da plataforma cliente/servidor para ambiente web, a MATERA escolheu a tecnologia Java Swing para o front-end (ou GUI – interface gráfica de usuário) das aplicações das suítes Banco e Gestão Empresarial. A migração dos sistemas dessas suítes (aproximadamente 2.600 telas no total) foi 100% automática e buscou preservar, nos mínimos detalhes, a experiência de uso acumulada por diversos anos usuários.

A adoção de Java Swing buscou aderência ao conceito de rich internet applications, que significa dotar as aplicações disponíveis na web de características normalmente associadas às aplicações desktop: riqueza de componentes de interface com o usuário, alta interatividade e rapidez na apresentação das informações. Mais detalhes sobre rich internet applications estão no artigo: O conceito de “rich internet applications” e o futuro dos browsers e aplicações.

Boleto de Operação

Não por acaso, Java Swing é a tecnologia preferencialmente utilizada para a implementação de aplicações de front-end para o Mercado Financeiro. Isso se reflete não apenas no seu uso por parte de empresas de produtos (como a MATERA), como também na demanda vinda dos próprios bancos e corretoras, que a usam em projetos internos principalmente ligados às áreas de trading, renda fixa e câmbio.

Os principais benefícios do uso de Java Swing para esse tipo de aplicação são os seguintes:

  • facilidade de implantação: as aplicações podem executar em diferentes plataformas (Windows, Linux, Macintosh), pois dependem apenas do ambiente Java; atualizações podem ser automaticamente baixadas via web, diminuindo os custos de administração;
  • baixa latência: comparado a aplicações típicas usando HTML e navegadores, onde há envio de dados para o servidor e volta dos dados da tela para redesenho, Java Swing permite um tráfego de informações muito menor, pois toda a parte de apresentação dos dados está codificada na aplicação; isso se traduz em uma velocidade muito maior de processamento e atualização;
  • robustez: aplicações mais seguras e resistentes a erros, importantíssimo em áreas como trading, renda fixa e câmbio, que podem ser consideradas de missão crítica, já que uma indisponibilidade do sistema, ainda que por alguns minutos, pode causar fortes perdas financeiras;
  • diversas possibilidades de integração: pela utilização das bibliotecas da linguagem Java, além de alternativas de integrações com componentes de middleware e diferentes servidores de bancos de dados;
  • interatividade: conjunto diversificado de componentes na interface gráfica do usuário (botões, grids, gráficos etc), trazendo um ambiente mais amigável com impactos positivos de facilidade na operação e produtividade dos usuários.

Por MATERA SYSTEMS

Postado em: 09 de outubro de 2012

Confira outros artigos do nosso blog

Smart Contracts: o que são e como funcionam?

18 de junho de 2018

Tássia Rande

O open banking é uma ameaça aos bancos?

11 de junho de 2018

Caue dos Santos Pereira

Por que o Banco Central poderá regulamentar o Open Banking no Brasil?

11 de junho de 2018

Caue dos Santos Pereira

PSD2: como o Open Banking foi regulamentado na Europa

11 de junho de 2018

Caue dos Santos Pereira

Deixe seu comentário