Porque duas pizzas são suficientes?

Muito ouvimos falar sobre qual seria o tamanho ideal de um time de alto desempenho para que ele consiga ser produtivo o suficiente, mas que não seja difícil gerenciá-lo.

De fato existem alguns problemas se o time for pequeno demais. Pode-se encontrar restrições de habilidades dentro do próprio time para realizar o trabalho a ser feito, tornando o time incapaz de entregar uma funcionalidade ou artefato “pronto” ao final do ciclo de trabalho.

Por outro lado, também existem problemas se o time for grande demais. Exige-se muito esforço para coordenação e gestão das pessoas, e o time certamente encontrará dificuldades em se auto organizar.

Ken Schwaber e Jeff Sutherland no Scrum Guide definem:
“O Time deve ser pequeno o bastante para se manter ágil e grande o suficiente para completar uma parcela significativa de trabalho dentro dos limites da Sprint”.

Já Jeff Bezos, fundador da Amazon, criou um conceito interessante que ilustra o tamanho que ele considera ideal a um time ágil. Refere-se a seus times como “Times de 2 Pizzas” por afirmar que o time deva ter o número de pessoas que possa ser alimentado com apenas duas pizzas.

O Scrum propõe equipes de 7 pessoas, considerando duas a mais ou a menos, e prevê vantagens em times reduzidos. Mike Cohn lista em seu livro “Succeding With Agile” algumas dessas vantagens:

Menos Ociosidade Social:
Ociosidade Social é a tendência das pessoas se esforçarem menos do que são capazes por acharem que haverá outras pessoas que assumirão a responsabilidade do trabalho que deverá ser feito.
Em um estudo, Max Ringelmann descobriu que o esforço individual é inversamente proporcional ao tamanho da equipe, portanto, quanto maior a equipe menor é o esforço de cada um.

Aumento da satisfação pessoal:
Pessoas que trabalham em times reduzidos são mais felizes que as que trabalham em times maiores. As contribuições dos integrantes se tornam mais visíveis, mais significativas e são mais facilmente reconhecidas, elevando a satisfação pessoal.

Menos especialização excessiva prejudicial:
Em times reduzidos os integrantes se veem obrigados a desempenharem novas funções e exercerem papéis diferentes dos que estão acostumados para que consigam entregar o trabalho da Sprint. Isso contribui para que o time evolua habilidades diferentes e que os integrantes se tornem capazes de executar as funções que forem necessárias mesmo que o especialista da equipe não esteja disponível no momento.

Diminui o contexto a ser trabalhado:
Com a redução do tamanho do time, é natural que a quantidade de trabalho do time no mesmo intervalo de tempo diminua, logo, o contexto de trabalho de uma Sprint é menor. Com uma quantidade menor de tarefas para se preocupar e entender, o trabalho a ser feito passa a ser melhor entendido e assimilado, aumentando a produtividade. Como consequência, o tempo das cerimônias também devem diminuir significativamente, evitando reuniões longas e cansativas.

Por fim, podemos perceber a preferência por times menores a times maiores, porém, acima de tudo, devemos entender que para o sucesso de um projeto devemos priorizar em um time uma comunicação transparente e frequente e um trabalho baseado em confiança e colaboração.

Referências
[1] COHN, Mike, Succeeding with Agile: Software Development Using Scrum
[2] Scrum Guide, v2016

Por JOÃO PAULO GRABOSQUE

Graduado em Engenharia de Software, Materano apaixonado pelo que faz, atua como Agilista com foco em Scrum e Kanban.

Postado em: 20 de março de 2017

Confira outros artigos do nosso blog

Como a comunicação influencia em times ágeis?

15 de junho de 2018

Ariane Ferreira Izac

Vamos falar sobre métricas Kanban?

21 de maio de 2018

Ricardo Augusto Shikota

Método Kanban: primeiros passos

10 de maio de 2018

João Paulo Grabosque

Afinal, o que é Scrum Master?

20 de abril de 2018

Fernanda Rogge Barbosa

Deixe seu comentário