Responsáveis pela Qualidade do Software

Antes de falar em responsabilidades, vamos as definições. Mas o que é qualidade de software?

“Segundo a norma ISO 9000 (versão 2000), a qualidade é o grau em que um conjunto de características inerentes a um produto, processo ou sistema cumpre os requisitos inicialmente estipulados para estes.” [1]

Sendo assim, podemos dizer que um sistema que atenda as normas de qualidade é aquele que foi estruturado desde seus requisitos, ou seja, quando as necessidades do usuário\cliente foram levantadas, compreendidas e as expectativas entre ambas as partes foram estabelecidas para serem desenvolvidas na sequência, de acordo com o que foi proposto. São aplicados processos e ferramentas para que esse objetivo seja alcançado.

Exemplo do mapa de qualidade da MATERA System
Exemplo do mapa de qualidade da MATERA System [2]

Se formos mais além, quando falamos em qualidade olhamos de forma mais ampla para o fluxo proposto,  não somente se o requisito foi atendido. Verificamos os fluxos alternativos que podem acontecer nesse principal e trataremos eles de forma minimizar possíveis impactos nos processos. Pensamos na usabilidade também, de forma que o sistema seja mais amigável possível para os usuários. Enfim, são vários os fatores, áreas e pessoas envolvidas para que a qualidade do software aconteça.

Muitas vezes, quando falamos de projetos, é comum o equívoco que os únicos responsáveis” pela qualidade de um software é a equipe de teste, com papel de validar e garantir que o resultado final esteja de acordo com o que foi solicitado pelo cliente, descrito nos documentos que são passados para equipe, com menor número de erros possível.

É evidente que como os testadores validam o software estão extremamente ligados com sua qualidade, no entanto, é importante ressaltar que não são os “únicos responsáveis” por ela. Defino a qualidade de um software como um conjunto de ações integradas entre a equipe que desenvolve o software, para fazê-lo da melhor maneira possível. Quando falo “equipe que desenvolve” não estou me restringindo somente a codificação. Todos que participam do projeto de uma forma ou de outra contribuem para seu desenvolvimento.

Até que cheguemos a um “entregável”, o software passa por um ciclo. Para garantirmos a qualidade é necessário que todos os envolvidos nesse processo estejam comprometidos e executem a sua parte com qualidade também, da melhor maneira possível: requisitos com levantamento das necessidades do software bem definidas e esclarecidas, documentadas de forma que toda a equipe compreenda e desenvolva o proposta do sistema corretamente; análise técnica das alterações, com os impactos levantados antes da codificação; codificação bem estruturada, de fácil manutenção com testes unitários realizados; comunicação da equipe alinhada com as alterações\impactos analisados; testes com compreensão da proposta, garantindo se o que foi desenvolvido atende o que foi solicitado antes de realizarmos a entrega, e por fim, a implantação no cliente. É esse trabalho em conjunto que faz a diferença na qualidade do software.

E mais uma vez ressalto, TODOS os envolvidos com o desenvolvimento do sistema tem sua parcela de responsabilidade pela qualidade dos produtos que desenvolvem.

Referências

[1]http://pt.wikipedia.org/wiki/Qualidade_de_software

[2]http://www.matera.com/br/2012/03/a-visao-da-matera-sobre-qualidade-de-software/

Links Externos

 http://pt.wikipedia.org/wiki/ISO_9000

http://pt.wikipedia.org/wiki/Qualidade

Por ARIANE FERREIRA IZAC

Analista apaixonada por testes, dançarina, corredora e colecionadora de viagens! Filha de peixe (jornalista) peixinho (blogueira) é. Meu grupo no LinkedIn só poderia ser "Diário de uma paixão: Teste de Software"

Postado em: 05 de dezembro de 2014

Confira outros artigos do nosso blog

[Webinar] Profile de aplicações Java com Oracle Mission Control e Flight Recorder

24 de julho de 2017

Danival Calegari

Criando Mocks de serviços REST com SoapUI

27 de junho de 2017

Monise Costa

Three laws that enable agile software development

09 de março de 2017

Celso Gonçalves Junior

Medindo performance de uma API REST

21 de fevereiro de 2017

Monise Costa

Deixe seu comentário