Retrospectivas Bombásticas – Keep Talking and Nobody Explodes

Na retrospectiva, o quebra-gelo é um passo importante para tirar o foco do que o time fazia fora da sala e trazer para a reunião.

Um fator importante pesava: trabalhar com times distribuídos. Pesquisando na internet, a maioria das dinâmicas para retrospectiva se assemelhavam à dinâmicas de grupo presenciais. Impossível proporcionar a todos os integrantes a mesma experiência, ainda que o material para a atividade (como folhas de papel ou bexigas) fosse preparado com antecedência.

Hora de botar a criatividade e o lado gamer pra trabalhar.

Acompanhei em 2015 o lançamento do Keep Talking and Nobody Explodes[1], ou Continue Falando e Ninguém Explode, em tradução livre. Este post tem uma breve descrição da mecânica e sua aplicabilidade em cerimônias de retrospectiva de sprints.

A ideia do jogo é: um operador está trancado em uma sala com uma bomba e não sabe desarmá-la. Enquanto isso, existe um time de experts munido com o manual da bomba, sem poder ver a mesma. Dado o tempo da bomba explodir (cinco minutos para a mais básica), o operador deve fazer o melhor possível para descrever o que está vendo para os especialistas, que devem identificar junto ao manual os passos para desarmá-la e repassar a informação para o operador.

Na prática, um membro do time visualiza e interage com a bomba em um computador, e o resto to time tem acesso apenas ao manual, impresso ou em PDF, e trocam as instruções tanto presencialmente quanto por programas de comunicação por VOIP.

Uma atividade de cinco minutos, que só exige um computador e comunicação por voz entre os participantes, depende totalmente de trabalho em equipe e boa comunicação? Parece que foi feito para retrospectivas! Compramos a versão livre de DRM para a empresa e fizemos testes.

Sucesso! Não só o efeito de quebra-gelo foi atendido (os times adoraram!), como também o jogo possibilita a discussões e reflexões:

A bomba explodiu? O que podemos fazer para não acontecer na próxima?
Desarmamos em tempo! Como podemos subir a dificuldade da bomba ou desarmá-la mais rápido?
A comunicação foi efetiva no desarmamento?
E se dividirmos os módulos para cada um no time se concentrar em um diferente?

Se tratando de um jogo de computador, os requisitos são bem modestos[2], o que possibilitou a instalação nos notebooks de trabalho sem comprometimento de performance para outras atividades.

De quebra, alguns profissionais imprimiram o manual em inglês e montaram sessões de Keep Talking and Nobody Explodes na hora do almoço para treinar o idoma!

[1] Keep Talking and Nobody Explodes
[2] Requisitos de Sistema – Steam

Por BRUNO GONÇALVES ZANUTTO

Da Casa Zanutto, Primeiro de Seu Nome, Scrum Master, Agente de Mudança, Removedor de Impedimentos, Guardião da coleção de mangás, Glorious PC Master Race. Não curto Game of Thrones...

Postado em: 17 de março de 2017

Confira outros artigos do nosso blog

MATERA patrocina Software Experience 2017

05 de outubro de 2017

Caue dos Santos Pereira

Nova diretoria de Inovação e Negócios da MATERA busca parcerias

20 de abril de 2017

Vania Hoshii

Prato de hoje: Retrospectiva

02 de fevereiro de 2017

André Suman

Lean Startup e Design Thinking juntos. E porquê não?

31 de janeiro de 2017

Giuliano Avila

Deixe seu comentário