Tags:

Sistema de Renda Fixa da MATERA Systems é integrado com SPARC SuperCluster T4-4 da Oracle

Com a integração, o sistema da MATERA é capaz de valorizar 10 milhões de CDBs em 1 hora; Parceria entre as empresas resulta em economia para instituições financeiras

A MATERA Systems, um parceiro nível Prata da Oracle PartnerNetwork (OPN), acaba de finalizar a integração de seu Sistema de Renda Fixa com o servidor Oracle SPARC SuperCluster T4-4 Half RACK da Oracle. Em uma avaliação de desempenho realizada no servidor da Oracle, 10 milhões de CDBs foram valorizados no período de 1 hora. A expectativa inicial era de que todo o processo durasse de 3 a 5 horas. O resultado do procedimento mostrou que as duas soluções trabalhadas em conjunto são uma ótima opção para as instituições financeiras que buscam agilidade, alto rendimento e economia.

Para alcançar a Integração Validada pela Oracle (Oracle Validated Integration), os parceiros devem seguir rigorosos requisitos que são baseados nas necessidades e prioridades dos clientes. “Fomos surpreendidos com a excelente performance do servidor da linha SPARC. A resposta foi muito positiva ao executar esta operação de grande volume, ainda mais se levarmos em consideração que apenas metade da capacidade do equipamento estava em uso. Podemos atribuir o resultado à qualidade da plataforma Oracle, que possibilita um ótimo desempenho dos aplicativos, aliada à robustez do sistema da MATERA, que tem qualidade e zelo técnico”, ressalta o CEO da empresa, Carlos Augusto Leite Netto. Para ele, o SPARC tem alta escalabilidade, o que permite alcançar a potência requerida conforme a necessidade da operação, sempre com rapidez e rendimento. Ele explica ainda que o desempenho do sistema é compatível com a demanda de instituições financeiras de grande porte, que necessitam consolidar um alto número de aplicativos, banco de dados e middleware em um único servidor.

A validação exige uma revisão técnica rigorosa e processos de testes”, disse Kevin Obrien, Diretor Senior, ISV e Estratégia de SaaS da Oracle. “Conseguir a validação da OPN dá aos nossos clientes a confiança de que a integração entre o Sistema da MATERA e o Oracle SPARC SuperCluster foi validada e seus produtos funcionam perfeitamente em conjunto. Isso ajuda a reduzir riscos e melhora os processos de implementação em nossos clientes em comum.”

A adoção conjunta da plataforma Oracle com o sistema da MATERA colabora para a redução de custos operacionais e com a infraestrutura de TI. De acordo com Netto, o sistema de Renda Fixada MATERA, já utilizado por cerca de 30 instituições financeiras, foi construído para executar operações com agilidade e segurança. “O Renda Fixa está atualizado tecnologicamente para web desde 2007, é compatível com arquiteturas modernas e permite o processamento de uma maior quantidade de dados por ter configuração para 64 bits. Além disso, possibilita a virtualização com o compartilhamento de máquinas de forma ainda mais segura e econômica”, afirma.

O Oracle SPARC SuperCluster T4-4 é um completo DataCenter, pois já possui Storage, Switch de Rede, e módulos de processamento de grande capacidade computacional. Isso faz com que esta solução seja uma alternativa para o mercado de Cloud Computing em expansão. A implementação ocorre em um curto espaço de tempo, entre um ou dois dias, e por isso o gasto é menor e o custo com a transferência não é repassado para os clientes. “Com equipamentos da classe Oracle Engineered Systems, que são a combinação do Hardware e do Software projetados para trabalharem em conjunto, as empresas terão seus recursos direcionados ao negócio e não para resolver questões técnicas de TI”, explica o diretor de Pré-vendas para Hardware e Soluções Otimizadas e Integradas da Oracle do Brasil , Weligton Pinto.

Por MATERA SYSTEMS

Postado em: 04 de julho de 2013

Confira outros artigos do nosso blog

REST não é JSON

21 de agosto de 2017

Bruno Sofiato

[Webinar] Profile de aplicações Java com Oracle Mission Control e Flight Recorder

24 de julho de 2017

Danival Calegari

Criando Mocks de serviços REST com SoapUI

27 de junho de 2017

Monise Costa

JavaScript 6: diferença entre var, let e const

09 de maio de 2017

Otávio Felipe do Prado

Deixe seu comentário